terça-feira, 31 de agosto de 2010

O MARACA NÃO É MAIS NOSSO

Por Carlos Vasconcellos*

Maravilhosa a festa das torcidas de Fluminense e Vasco no domingo passado. Tricolor, torci com alegria, mas também com melancolia, ao saber que essa festa popular está ameaçada. O novo projeto do Maracanã para a Copa 2014 vai encolher ainda mais o espaço para os torcedores. Por trás do discurso de modernização e do álibi da necessidade de oferecer mais conforto aos torcedores há um processo de elitização dos estádios brasileiros.

A obra que extingue as cadeiras azuis, chamada carinhosamente de geral vip, atende as exigência da Fifa para uma Copa do Mundo em que o povão não será convidado para assistir nos estádios. À massa, restará assistir os jogos em casa, pela TV, aturando o monopólio de exclusividade da Globo e o chato do Galvão Bueno.

O torcedor paga cada vez mais caro para torcer por seu clube nas arquibancadas e enfrenta sempre novas dificuldades para ir aos estádios nos grandes jogos.

Como se não bastasse a europeização dentro de campo, através da supremacia do futebol força, de marcação e obediência tática em detrimento da habilidade singular do futebol brasileiro, tentam agora impor ao torcedor uma cultura alienígena na forma de torcer, fria e comportada, com lugares marcados e limitações até na hora de empurrar o time de coração. Querem domesticar o futebol como fizeram com o carnaval, transformando-o num evento para inglês ver. Eis o sonho dos ricos e dos que fazem do esporte um rentável negócio: aumentar o preço dos ingressos, diminuir a capacidade dos estádios, transformando-os em ambientes nobres, com restaurantes caros e shoppings sofisticados, para inibir, constranger e afastar o povão de sua maior paixão popular.

Após as obras, o estádio será reduzido para uma capacidade de pouco mais de 70 mil pessoas. Tirando os "convites" e "caronas" e os camarotes, restarão pouco mais de 40 mil ingressos para torcedores de Flamengo, Vasco, Fluminense e Botafogo "disputarem a tapa" um ingresso nos grandes clássicos. Tudo para afastar os pobres de um de seus programas preferidos e ainda contribuir com a farra das emissoras de TV à cabo e Pay Per Viw.

A presença de pobres e negros nos espaços públicos sempre incomodou as elites. Na praia, nas praças, nos eventos, nas festas da cidade e, é claro, no Maracanã. Dizia Nelson Rodrigues que as elites tinham pavor de ver o Maraca tomado por quase 200 mil pessoas, a maioria vindo das Zona Oeste e Norte e da Baixada Fluminense, os bairros mais populares do Rio. Segundo o genial escritor e cronista esportivo a burguesia tremia só de imaginar uma improvável rebelião daquela gente toda. "Já imaginaram se eles se unem e se revoltam"?

Além de elitista, o projeto do Maraca pós-moderno é resultado de uma obscura concorrência. Porque o governo do estado não fez um concurso através de votação popular para a escolha do melhor projeto, entre os apresentados e aprovados pela FIFA? Quais foram os critérios de escolha e quem optou pelo projeto vencedor, um atentado contra quem venera o outrora, maior e mais popular estádio do mundo?

Aos poucos, conseguem nos afastar até de nossa maior paixão, o futebol. Só falta mesmo é o governo do estado privatizar o memorável estádio.

O Maraca não é mais nosso.

* Carlos Vasconcellos é editor do Jornal BancáRio

5 comentários:

  1. Vinícius o artigo desse Carlos ficou até legal, mas tem duas coisas que quero te perguntar:
    1) O que temos com isto? O Botafogo já tem estádio e problema é deles.
    2) Tricolor escrevendo no seu blog? Ficou maluco? ou outra coisa?

    Bruno BFR

    ResponderExcluir
  2. O Maracanã vai ter lugar marcado, shopping, vaga pro carro (meu carro é grande), restaurantes caros e tudo? Mal posso esperar.

    ResponderExcluir
  3. Carlos Vasconcellos10 de setembro de 2010 18:58

    É isso mesmo Joel. A pequena burguesia da tecnocracia estatal também deve estar adorando o novo Maracanã dos ricos. Mas ao criticar o projeto, eu me referi aos trabalhadores pobres, ex-geraldinos, da Baixada Fluminense e Zona Oeste do Rio, responsáveis pelos maiores públicos da história do Maraca porque o futebol era último lazer a que eles tinham acesso. O mesmo trabalhador humilde eleitor hoje do PT e que garante a popularidade de Lula.

    ResponderExcluir
  4. Caro Bruno,

    Duas retificações:

    O Botafogo não tem estádio. O Engenhão, chamado carinhosamente pelo povo carioca de "vazião", é da Prefeitura. O único campo do Botafogo é ou era o de Marechal Hermes. O Engenhão está alugado. Aconselho ao seu clube entrar no projeto "Minha Casa, Minha Vida" da CEF e tentar comprar o estádio através de crédito imobiliário a ser pago em cem anos.
    E este não é o blogo do botafogo, é um blog democrático de um ilustre botafoguense.
    Saudações tricolores do líder,
    Carlos Vasconcellos

    ResponderExcluir
  5. Carlos Vasconcellos, cos;cordo com você que o Blog é democrático e até demais para deixar publicado estas suas loucuras sobre o Engenhão. O estádio é do Fogão e o resto é dor de cotovelo. Por falar em vazião, é realmente vazião quando vocês jogam lá..O Vasco tem o menor público entre os grandes, 629 pagantes e vocês tricolores provaram que tem uma torcidinha ridícula, com o seu time líder colocaram apenas 4 mil e poucos pagantes. O Botafogo no mesmo dia e horário e estando na quarta posição do campeonato (quata-feira às 19:30hs) colocou mais de 20 mil pagantes e 25 mil presentes. É O FOGÃO TEM QUE ATURAR E RESPEITAR!

    ResponderExcluir

Obrigado pela participação!